7 de out de 2010

O MAL DA RIQUEZA...


Estou desde às 6 da manhã na frente desse computador imaginando sobre qual assunto abordar para o texto de hoje....Falar do óbvio? Falar de política? Falar da educação?
Tudo isso já opinamos, e alguns assuntos várias vezes, e discutimos de forma mais que surtada! Falar das mazelas da vida, da depressão, do mau-olhado, de gente chata e pentelha, das atitudes mal intencionadas das pessoas ditas trabalhadoras.... Tudo isso também já comentamos....
Pensei até em colocar uns vídeos, textos humorísticos, imagens e montagens sarcásticas.... Mas em plena quarta-feira? Hum...não!
Enquanto tomava meu café e curtia minha nicotina na sacada do apartamento, fiquei vendo parte da cidade onde moro se descortinar a minha frente. De imediato, construções e mais construções de todos os tipos e gostos, porém, não para todos os tipos de bolsos! Um morro maravilhoso, começando a ser tomado por habitações, não sei se legais ou não,  logo abaixo um entreposto de coleta de lixo reciclável, com o povo trabalhando arduamente para receber míseras moedas pelos kilos de sucatas recolhidas, de uma cidade que possui o luxo e o lixo vivendo lado a lado....
Existe um ranço aqui do tipo intelectualóide-imbecil que preconiza a salvação do conhecimento e do bem-viver através de uma postura esquerdista. Tudo bem, aceito esse tipo de postura... sem problemas!
Porém, esses mesmo preconizadores que trabalham não muito distante de onde estou morando hoje, vivem uma perfeita 'moral de cuecas', ou seja, o discurso não confere com a prática! Reclamam da quantidade de riqueza existente na cidade e da má distribuição da renda da mesma, mas não oferecem seus salários, bastante altos para a função, nem seus empregos estáveis para ajudar a parcela menos favorecida da nossa cidade!
Assim fica fácil criticar os ricos! Porque você não é um deles, mas também não vive nos morros...
Esse tipo de postura se verifica em quase todos os lugares por aqui: desde o estudante universitário, sempre pobre de moedas mas visto nos melhores bares da cidade, até o senhor bem vestido, funcionário de alguma empresa civil ou publicitária que lhe paga um salário não condizente, nem justo, para adquirir a roupa que está vestindo...
Desconheço fisicamente as outras capitais litorâneas existentes em nosso País, mas presumo que todas tenham o mesmo tipo de preocupação com o consumo, o poder aquisitivo, a beleza física real e imaginária. Aqui não é diferente, mas não necessariamente na mesma ordem ou compreensão, pois temos - no geral da população - um padrão de vida elevado, comparativo com outras cidades, e ao mesmo tempo temos problemas que não deveriam existir como considerar as pessoas que não nasceram na Ilha, como estrangeiros, os ricos como perpetuadores da mais-valia e a maioria assalariada como burgueses emergentes...
Para muitos brasileiros, parece que ter dinheiro é uma afronta, mesmo que essa posse seja uma mísera gota no oceano comparada com os REALMENTE ricos que vivem  no Brasil. Tirando casos isolados, o dinheiro da maioria das pessoas vem de sua capacidade de trabalho, do quanto pode e sabe economizar, de suas diretrizes e sonhos de vida... Isso é crime? Que eu saiba, trabalhar honestamente e ter um emprego digno nunca foi... Pode-se apelar para a sorte, mas no geral, fica apenas a competência de quem trabalha e pouco se importa com que os outros dizem, pois não são esses que pagam suas contas! Mas para àqueles que ficam a olhar, parece que você tem muito e precisa dividir...
A riqueza não é apenas aquilo que você pôde juntar de economias ou adquirir por posses, mas tudo o que você construiu e adquiriu durante a sua vida e que não tem dinheiro que pague, nem socialista ou sociólogo que entenda, ou seja, o conhecimento adquirido, a convivência pacífica com os outros e a postura idônea de todos os seus atos....
O mal da riqueza é isso, quando o olhar dos outros veem apenas o dinheiro, sem dar importância ao caráter....Bela sociedade hipócrita a nossa...

 para quem estava sem assunto....
blog

Abraços apertadinhos!
Regina