15 de jun de 2012

50, 60, 70 ANOS, NÃO EXISTE IDADE PARA AMAR, por Roberto Romanelle Maia


imagem



E eis que o amor chega de repente, sem pedir por favor e nem licença... Sem que possamos nos prevenir ou evitar...E sem que possamos sequer prever ou esperar...Mas que sentimento é esse? Que de modo tão  claro e sutil chega e nos invade sem que possamos correr ou evitar...E nos isolar e fechar... Que surge, dentro de nós,  como um indomável vulcão, sem idade para que possamos nos limitar e frear...
Que sentimos, de tal forma, que o nosso sangue faz ferver e pipocar...Que, de repente, sem que e nem porque, vai chegando e surgindo, como se quisesse a tudo, dentro de nós, varrer e levar...E este algo mais, tão mágico  e especial, vem chegando e chegando e aos poucos vai invadindo, as nossas almas e os nossos corações, sem sequer nos consultar...Como se fosse, ao mesmo tempo, a calma e a tormenta, que surgem sem aviso e nem promessa de acabar...Ah, que sentimento é este que nos faz tremer, sucumbir e, novamente, esperar...E será que o nosso coração pode agüentar...
Pois, os mais jovens, nos dizem que as nossas forças já não são as mesmas... Que corremos o risco de, na manhã seguinte,  após uma noite de amor e de prazer,
 não mais acordar ...Que nossas energias estão sumindo e devem acabar com mais alguns anos...
E que esse nosso amor aos cinqüenta, aos sessenta, aos setenta, não importando com que idade, não pode e nem deve, por nós,  ser mais vivido e nem sentido...
Que amor, paixão, prazeres,  gozos e orgasmos são para aqueles que possuem, na certidão, o carimbo da juventude... Como se, por decreto, os menos jovens não mais pudessem ter prazer, sentimentos e amor para receber e dar...Ah, como se, apenas, os jovens pudessem se apaixonar... E amar... Esquecendo todos eles que para amar não existe local, tempo e nem idade...E que sentimentos, forças, energias, tesão e desejos lá, dentro de cada um, pode-se buscar e sempre encontrar... E que o amor por ser maduro não menos intenso, mágico e febril é ou será... E que nossa vida terá valido a pena se, por culpa de um novo amor, o nosso corpo consumir e o nosso coração arrebentar...Pois nada substitui  a felicidade, a alegria e o prazer de amar...E a vida, certamente, se estivermos amando, ao contrário, em todos nós,  ressurgirá...Porque em nossas almas e corações terá existido, realmente, um novo amor e um novo amar...