16 de ago de 2014

ADEUS CRÔNICAS...

IMAGEM

O navio negreiro e o aumento do campo de atuação
Os navios negreiros se transformam ao longo dos tempos, hoje já não navegam mais em alto mar, andam sobre trilhos em meio à selva de concreto. Ampliou seu campo de atuação, deixou de carregar apenas escravos negros e tem agora transportado também escravos brancos.
Nos dias atuais o banzo não é mais preocupação, pois os explorados pela modernização já carregam desde a infância dispositivos eletrônicos que aparentemente são para lhes entreter, mas na realidade acabam por escravizar ainda mais. Tais dispositivos fornecem comunicação direta com os amigos que estão conectados a mesma rede e em contra partida distanciam cada vez mais pessoas que estão lado a lado no mesmo navio, ou seja, no mesmo metrô.
Não parecem mais seres humanos se locomovendo e sim vários perfis de redes sociais off line para o mundo real, ou simplesmente com aviso dizendo “ausente” estampado em suas faces fechadas impedindo qualquer tipo de comunicação.
O navio fica a cada dia mais cheio, anda pesado quase se arrastando, mas ao mesmo tempo se vê um vazio dentro dele, as pessoas se transformaram em cargas que aos poucos cada vez mais se fecham dentro de si e esquecem que a vida é melhor em comunhão.
Eu ando nesses navios, acho que você também deve andar, espero que quando nos encontrarmos em algum desses trilhos que serpenteiam pela cidade, tanto no subsolo quanto lá no alto, possamos pelo menos um bom dia, um boa tarde ou um boa noite falar.
Desconecte um pouco, veja as pessoas que estão ao seu redor e valorize as relações não virtuais, assim poderemos talvez atravessar nossos mares diários com mais alegria.
O navio negreiro ampliou seu campo de atuação e hoje transporta também escravos brancos. Sempre dependeremos do navio, ele sempre estará em nossas vidas, mas acho que podemos abandonar a escravidão, evoluir e viver uma vida real em união.

Gui Batista
BEIJOKAS SURTADAS,